Skip to content

“moda de rua”

dezembro 28, 2009

Face Hunter e o seu retrato do Rio de Janeiro

Depois de dizer que “as modas brasileira e italiana são uma merda” em entrevista ao site da revista Dazed and Confused (que acabou, pouco tempo depois, tirando essa pequena informação da matéria), Yvan Rodic, criador do aclamado blog de rua Face Hunter, esteve aqui no Brasil nesse mês de dezembro como embaixador da Evolução Francesa, evento multinacional da marca Lacoste.

Eu não ia nem comentar nada sobre essa vinda dele ao Brasil, mas essa semana um amigo que foi fotografado por ele me disse uma coisa que me deixou meio chocada. Vou tentar transcrever aqui a conversa:

– Você viu minha foto no Face Hunter?

– Não vi, que legal!

– O Yvan chegou e disse pro xxx: “chama seus amigos pra gente tirar umas fotos”.

– Sério? Mas que truqueiro, hein? E cadê a moda de rua?

– Pois é, tudo truque.

Não que antes eu achasse que blogs como o Sartorialist e o Face Hunter realmente representassem a moda de rua, mas eu nunca pensei na possibilidade dessas fotos serem previamente planejadas dessa forma, talvez por pura ingenuidade mesmo. Fiquei totalmente abismada.

Daí que eu fui pesquisar um pouco mais sobre a vinda do Yvan ao Brasil e vi que na última visita dele ao país, em 2007 a convite da SPFW, vários blogs já tinham questionado essa “moda de rua” que ele fotografa. Na época, ele se restringiu a fotografar os fashionistas que circulavam pela Bienal, o povo dos Jardins e da festa do Herchcovitch no Glória. Dessa vez não foi muito diferente, ele chamou uns conhecidos e amigos de conhecidos para tirar fotos na região dos Jardins e foi em uma festinha no “Bar Secreto”. No Rio, ele foi à praia, mas ao invés de fotografar as pessoas da rua, com suas singularidades e formas totalmente inusitadas de se apropriar da moda, resolveu ir pelo caminho mais fácil e fotografar meia dúzia de fashionistas que, de forma alguma, representam o povo que anda nas ruas do Brasil.

Em 2007, a discussão rendeu pano pra manga e um dos comentários que me chamou especial atenção foi o da Maria Prata quando ela disse: “Acho mto válido tanto o face hunter como o sartorialist. até porque aquilo é o olhar deles sobre o mundinho, e não o mundinho inteiro. Eles fazem exatamente o que se propõe a fazer”. Até concordo em partes, mas acho extremamente problemático chamar isso que eles fazem de moda de rua. Uma coisa é a moda que o povo da moda veste na rua, e que é uma tradução da moda de passarela, e a moda de rua mesmo, que, em seu conceito primário é bem o oposto disso. Como o Vitor Ângelo bem lembra no post, “a moda de rua é contestadora, inspiradora e fresca por não ser normativa. Não precisa ter o look rebelião, mas simplesmente não seguir tendências da passarela. Claro que isso cria o paradoxo de seguir tendência sim: mas outra, mais livre, mais individual”.

O problema, na verdade, nem é fotografar as pessoas nas portas dos desfiles e nas festinhas da moda, o problema é fazer só isso e chamar de moda de rua. E uma coisa bem diferente é fazer isso em Nova York e Milão, lugares onde isso até acaba fazendo um pouco mais de sentido, e chegar aqui no Brasil e querer fazer a mesma coisa. Acho que mais que um olhar preguiçoso, o Yvan Rodic tem uma visão muito pobre e restrita de moda (não muito diferente das outras pessoas que estão nesse meio, diga-se).  É inacreditável como, estando no Rio de Janeiro, o máximo que ele conseguiu foi fotografar uns amiguinhos arrojados no calçadão. Já em São Paulo houve tentativas mais “ousadas” como essa abaixo, que foi parar em seu blog pessoal.

Por outro lado, fiquei pensando que se até a gente aqui tem um olhar carregado de preconceito e pouco sabemos sobre a moda brasileira, não dá pra exigir muito de um olhar estrangeiro sobre nós, né? Me lembro quando eu e felix, acho que em 2007, tínhamos um projeto de fotografar os mendigos nas ruas de Salvador, inspirados em uma comunidade do orkut que se chamava “mendigos nouvelle vague”. A gente nem queria contestar nada (isso não é muito nosso forte kkk), mas é que a gente curtia muito as sobreposições inusitadas que eles criavam. Quando felix estava no Rio ele quis fotografar os velhinhos lindos de lá, mas novamente não colocamos a ideia em prática por falta de equipamentos! Agora eu tô indo passar uns dias em Salvador e fiquei muito com vontade de fotografar o povo de lá, que tem uma forma muito própria de se vestir, diferente de todos os outros estados brasileiros que eu conheço. Espero conseguir colocar a ideia em prática dessa vez e ver no que vai dar.

Pro Yvan, só desejo mais criatividade da próxima vez e um convite pra conhecer a Daspu e a Ropahrara.

17 Comentários leave one →
  1. __felix permalink*
    dezembro 28, 2009 1:16 am

    risos.

    esse tópico é muito confuso e n tenho muita certeza de nada, a não de ser que realmente n dá p levra ao pé da letra essa “moda das ruas” que aparece em blogs de street style. acho importante tb ter em mente que é quase impossível encontrar todo um códifo de moda “de algum lugar” ou “de alguma coisa” dentro da nossa propria cultura. primeiro pq existe sempre uma certa homogeneidade que reina né, e segundo pq mesmo certas particularidades podem “nascer” de uma forma e se perpetuar de outra e aí ela veio da onde mesmo? de certa forma acho tão possível falar de uma “moda das ruas” quanto falar de uma “Moda da internet” ou uma “Moda da tv”, pq esse n parece claro se a denominação parte do lugar onde ela nasce, se perpetua, é usada ou ganha notoriedade. acho ótimo , por exemplo, que já tenha existido a expressão “moda festa”.

    quanto aos mendigos mágicos de salvador e aos velhinhos navy da zona sul do rio, quem sabe um dia ainda né mesmo!?

  2. __felix permalink*
    dezembro 28, 2009 3:00 am

    p.s. além de tudo isso, tem outra questão: não sei até que ponto nos interessaríamos por esse tipo de recorte se ele fosse exatamente o que diz ser, por outro lado, me pergunto o quanto esses trabalhos realmente se ” descaracteriza” por não se fiarem ao conceito literal de moda encontrada (espontaneamente) nas ruas.

    n sei como funciona exatamente com o facehunter, mas no sartorialist acho que dá pra perceber que aquele é um mundo de semanas de moda ao redor do mundo e dá tb pra reconhecer editores e outros pernosagens do circo da moda. alguns blog do japão tb são mais focados em harajukus coisa e tal.

    gostaria muito que usassem essa lataform p apresentar um recorte mais diversificado e rico, envolvendo outras esferas da vida cultural onde a roupa não tivesse um papel principal, mas que fosse igualmente importante e rico. penseo em muitos exemplos possíveis, mas acho impróvavel acontecer pq acho q esses blogs tão mais ligados a formas de afirmação da própria indentidade na moda. é importante perceber como as pessoas que estão detrás dessas camêras poderiam tranquilamente ir para a frente e figurar como o mesmo tipo de gente. quem sabe no futuro, depois que as pessoas cansarem de ver a si ( e seus desejos) refletidos nesses blogs – q acabam sendo ferramentas de legitimação tb – não tenhamos esse novo olhar, mais “etnográfico” e curioso sobre a moda das ruas.

  3. dezembro 28, 2009 2:32 pm

    é por isso que quando se trata de Brasil, mais precisamente Rio de janeiro, gosto muito e sou fã de carteirinha do pessoal da Rio etc, além de não ser foto programada (e quando é eles falam), eles não vão pelo caminho do que está na moda, pelo contrário, faz exatamente o que você disse no seu post, eles captam a singularidade de cada personagem inusitado que passa pela rua.
    Também acho que perde a graça um blog ser chamado de street style sendo que se trata de pedir pra galera fazer uma montação básica pra ser fotografada.
    Assim fica fácil né, colega.

    bjos e boa sorte no seu projeto.

    http://www.rioetc.blogspot.com

  4. janeiro 2, 2010 5:31 am

    Acho que tudo tem o seu tempo, e os tais blogs de “street-style” já deram seu recado. Num primeiro momento isso era uma novidade, mas hoje em dia não interessa a (quase) mais ninguém, porq

  5. janeiro 2, 2010 5:42 am

    (sorry) ue em geral os leitores desses blogs são profissionais de moda, e as pessoas que são interessantes já foram devidamente fotografadas várias vezes.
    Não conheço muito o Facehunter, mas acho a “moda” do Sartorialist muito boba. Os mesmos estudantes de moda, os mesmos editores, a mesma bicharada com lencinho no pescoço, não é a-toa que o blog perdeu tanto espaço.
    Acho que o que as pessoas querem ver na verdade é gente linda, montada, cheia de peças exclusivas. O Jak&Jill, apesar de ainda bem tímido, parece que entendeu que ninguém procura um espelho, e sim o inatingível para a maioria dos mortais. Afinal, é pra isso que a moda serve, pra nos mostrar o que a gente nunca vai ter, e nos forçar a gastar uma fortuna tentando desmentir isso.

    (Parabéns pelo blog, muito bom)

    • alinebotelho permalink*
      janeiro 6, 2010 2:21 am

      tb acho q moda é produção de encanto, mas ainda assim acho complicado querer fazer da moda de rua um editorial de revista. continuo acreditando q moda de rua não tem esse intuito e é, na verdade, o oposto disso, é anti-moda nesse sentido. no quesito “fotografar pessoas da moda nas ruas” acho q o jak&jill realmente cumpre muito bem esse papel, acho tommy tom bastante criativo, ele pega detalhes inusitados, é bem mais interessante q o sartorialist e o face hunter, na minha opinião. e o mais importante é q ele não se transveste de blog se street style, né.

  6. janeiro 3, 2010 3:44 am

    Oi Aline, td bom? Concordo com vc, achei ótimo o post. Eu também acho que tudo vira meio um truque, já que ele quase que edita o que as pessoas usam para entrar no site dele. Ele impôs em seu blog um padrão de beleza, exotismo, modernidade que não se encontra em qualquer rua com facilidade. De fato, encontra-se nos bares da moda, nos corredores da SPFW, nas praias e festas certas, etc. Vamos fazer um ensaio de moda de rua para valer e mandar para ele. Com certeza será mais surpreendente e colorido do que aqueles milhares de personagens que se repetem a cada cidade que ele vai. Um beijo e um ótimo ano para vc.

    • alinebotelho permalink*
      janeiro 19, 2010 2:19 pm

      Né? Queria muito fazer Cami, mas ainda estou tão refletindo sobre “moda de rua” que decidi tentar consolidar alguns conceitos antes de partir pras ruas rs. É sempre ótimo receber sua visita por aqui, bjs.

  7. Ju Okuda permalink
    janeiro 18, 2010 4:24 pm

    Deixo uma dica: visitem o site da Garance Doré. Ela é francesa e tem um site de “moda de rua” bem como sartorialist e face hunter. Achei muito interessante o olhar dela sobre o Rio de Janeiro; vale muito ler o seu pont-de-vista, como ela mesma disse: “para entender a moda no Rio, é preciso entender o estilo de vida dessas pessoas”. Fora as fotos que são de um bom gosto absurdo. Bjos

    • alinebotelho permalink*
      janeiro 19, 2010 2:16 pm

      Oi, Ju. Eu adoro a Garance, acho a visão de mundo dela muito mais interessante que a do Sr. Sartorialist. Ainda não tinha visto as fotos dela do Rio, estão lindas mesmo, obrigada pela dica. Bjs.

  8. maio 19, 2010 9:52 am

    I agree with most of what is said here.

  9. agosto 22, 2010 10:47 pm

    [primeiro, só um comentário: também quis fazer um blog com fotos de velhinhos, e cheguei até a registrar um wordpress. mas daí desisti, achei que não ia dar conta. e agora, né, já tem. :/]

    gostei muito do post, essa discussão é sempre pertinente – muito embora eu ache que esses blogs de street style “chic” foram feitos pra mostrar só o povo da moda mesmo, sem essa ideia de retratar o que realmente se usa na vida real. talvez seja uma visão bem cética e desiludida da minha parte, mas nunca me passou pela cabeça que eles quisessem ser verdadeiros com o cotidiano das cidades e das pessoas. então, talvez por isso eu nunca tenha, de fato, me decepcionado com o que eles fazem. PORÉM, é claro que isso não diminui o espanto em ver o cara deliberadamente chamar a galera para se montar pras fotos e ensaiar a cena.

    enfim. se quiser pensar em outras gentes-como-a-gente para fotografar sem ilusões, podemos unir forças. ;)

    beijos

  10. setembro 6, 2011 7:11 am

    The authoritative message :)

  11. maio 23, 2013 12:19 am

    You should be a part of a contest for one of the greatest sites on
    the web. I’m going to recommend this web site!

Trackbacks

  1. E agora, o que é antimoda? « /duodeluxo
  2. Moda, tendências e identidade « /duodeluxo
  3. Moda de rua (de verdade) | Chanel tá vendo!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: